Viajar com coração

Viajar com coração

No início de Janeiro foi lançada a Hearts & Journeys, uma Agência de Turismo Solidário que visa combater a desigualdade social no acesso ao turismo, proporcionar experiências memoráveis envolvendo-se com a comunidade local através do voluntariado e dar a conhecer o Portugal mais genuíno. A Green Stays quis saber mais e entrevistou um dos seus fundadores.

Green Stays –  Em primeiro lugar, contem como surgiu esta ideia?

Henrique Vasconcelos –  A ideia surgiu para dar resposta a uma das premissas da Organização Mundial de Ética para o Turismo que diz que o Turismo é um direito de todos. Nesse sentido começamos a desenvolver um sistema que permitisse que jovens Portugueses sem possibilidades financeiras pudessem viajar sem qualquer tipo de custos. Para operacionalizar a ideia pretendemos funcionar como agência de Turismo Solidário que vai operar no destino Porto.

GS  -  Irão operar apenas no Porto, ou pretendem alargar para outras zonas do país?

HV  - Inicialmente iremos operar na zona do Porto mas pretendemos expandir para outros pontos do país.

 GS – Qual é a vossa principal missão ?

HV - A Hearts & Journeys é uma Agência de Turismo Solidário que visa combater a desigualdade social no acesso ao turismo, proporcionar experiências memoráveis envolvendo-se com a comunidade local através do voluntariado e dar a conhecer o Portugal mais genuíno.

GS  – Que experiências a Hearts & Journeys tem para oferecer aos seus clientes?

HV  - A Hearts & Journeys será especializada na comercialização de pacotes turísticos associados ao Turismo Solidário e Turismo Social em Portugal, inicialmente no destino Porto. Os pacotes caracterizam-se por incluir ações de voluntariado na comunidade local em tempo parcial. No restante tempo, os turistas poderão usufruir dos nossos tours que têm como objetivo levá-los aos locais mais típicos e emblemáticos do destino. O que propomos vai de encontro a um novo segmento que procura uma experiência autêntica e com uma forte componente de partilha humana. Para promover a inclusão social, por cada pacote vendido iremos oferecer uma experiência turística a jovens com carências económicas ou desempregados, que de outra forma não teriam acesso ao turismo.

GS –  Qual é então o vosso público-alvo?

HV - O mercado que pretendemos atingir é o mercado do volunturismo do Reino Unido, este mercado apresenta valores muito expressivos. Segundo um estudo da Tourism and Marketing Research, de 2008, existem cerca de 1,6 milhões de volunturistas por ano, o valor de mercado representa cerca de 1,53 mil milhões de euros e previu-se na altura uma taxa de crescimento de 5 a 10% nos 5 anos seguintes. O volunturismo combina uma viagem de lazer com uma oportunidade de ajudar a comunidade no destino turístico. O voluntariado pode ser o objetivo principal da viagem ou apenas parte do roteiro.

6. Como é que definiriam o Porto em termos de sustentabilidade (económica, social e ambiental)? 

O projeto propõe criar um programa de desenvolvimento auto sustentável que assenta em 3 vetores principais: a valorização do Património natural e arquitetónico, a estimulação da Economia local e Regional e o envolvimento da Comunidade Local. O motivo da escolha do Porto para iniciar o projeto deve-se ao facto de ser uma cidade que conhecemos bem e que sofre de uma forte centralização da oferta turística deixando de fora os pequenos comerciantes. Pretendemos combater este efeito levando os turistas aos locais mais genuínos contribuindo assim para uma distribuição mais justa dos fluxos financeiros provenientes da atividade turística. Através do voluntariado pretendemos criar experiências de maior envolvimento e que ajudem a resolver problemas sistémicos da cidade.