Centro de Artes Nadir Afonso  inaugurou a mostra «Sequenzas»

Centro de Artes Nadir Afonso inaugurou a mostra «Sequenzas»

Já pode ser visitada a exposição inédita «Nadir Afonso – Sequenzas», que reúne mais de 300 estudos nascidos das mãos do artista flaviense. Mais de uma centena de pessoas esteve no Centro de Artes Nadir Afonso, em Boticas, para a inauguração da mostra, a 18 de Julho.

 A observação dos esboços do mestre permite aos visitantes ter uma noção mais apurada daquilo que é o exercício de criação, das horas gastas na procura da essência matemática das obras e da exigência do artista.

 inauguracao_sequenzas_nadir_afonso

A curadoria e montagem da exposição estiveram a cargo de Maria de Fátima Lambert, que destacou que “poder ver estudos de um artista não é muito frequente”. A experiência foi enriquecedora, porque lhe permitiu contactar de perto com os métodos de trabalho de Nadir Afonso. “Foi um desafio que durou alguns meses, mas ao mesmo tempo foi uma espécie de gula. O trabalho incidiu numa selecção que começou por ser de 600 estudos em 900 e que, no fim, redundou em cerca de 300”, explica.

A curadora reuniu os estudos referentes a três períodos criativos do artista: o Espacillimité, que se relaciona com os trabalhos mais emblemáticos do pintor e que têm o mérito de conjugar o espaço e o movimento; o Barroco, expressado através de formas abertas, espiraladas e dinâmicas; e o período Egípcio, em que a linha curva convive com a recta, numa evocação clara a esta civilização.

maria_fatima_lambert_curadora

Maria de Fátima Lambert convida os visitantes a fazer um passeio prolongado pela sala de exposições do Centro de Artes Nadir Afonso e a criar as suas próprias sequências. “Este espaço é muito grande e proporciona toda uma experiência ao movimentarmo-nos aqui. A arte é uma coisa muito séria, mas pode dar-nos esse gozo de sermos também criadores”, sublinha.

Laura Afonso, esposa de Nadir Afonso, explicou que a ideia para uma exposição desta natureza surgiu de um desafio lançado ao mestre. “No ano passado, o Nadir teve uma exposição em Braga e, na inauguração, esteve o reitor da Universidade do Minho que nos contou que tinha estado na Suécia, onde viu uma exposição que continha apenas estudos. O Nadir gostou muito da sugestão e a ideia foi logo considerada.”

A presidente da Fundação Nadir Afonso recordou também que o mestre flaviense “considerava que era no estudo que estava a criação, a génese do produto final. O mais difícil era chegar à forma exacta, depois era o apuramento”.

Patente até 19 de Outubro de 2014, a exposição “Nadir Afonso – Sequenzas” pode ser visitada gratuitamente de terça a sábado, entre as 9h e as 12h30 ou entre as 14h e as 18h.

Centro de Artes Nadir Afonso: a geometria do berço

centro_de_artes_nadir_afonso

Inaugurado em Julho de 2013, o Centro de Artes Nadir Afonso perpetua a ligação de um dos maiores expoentes da pintura contemporânea portuguesa ao concelho de Boticas, de onde era originária a sua progenitora.

Com mais de 1 800 m², o Centro de Artes Nadir Afonso alberga uma exposição permanente com cerca de 80 obras do artista e um auditório.

O projecto do Centro de Artes Nadir Afonso foi distinguido no Internacional Architecture Awards 2009, tendo sido elogiada “a arquitectura aberta como uma plataforma para as pessoas, com um grande sentido de lugar e uma profunda sensibilidade nos materiais utilizados”. No ano seguinte, recebeu o Green Good Design Award atribuído pelo “The Chicago Athenaeum: Museum of Architecture and Design” e pelo “The European Centre for Architecture Art Design and Urban Studies”.

Da autoria da arquitecta norte-americana Louise Braverman e com a colaboração de Paulo Pereira Almeida e do próprio filho de Nadir, Artur Afonso, o equipamento é uma homenagem ao pintor flaviense, falecido em Dezembro do último ano.