Alavancar o Douro-Duero como primeiro destino turístico da Península Ibérica

Alavancar o Douro-Duero como primeiro destino turístico da Península Ibérica

Converter o Douro-Duero no primeiro destino turístico ibérico é uma ambição que une entidades públicas e privadas de Portugal e de Espanha. O Fórum de Turismo no Vale do Douro funcionou como ponto de confluência de dinâmicas de cooperação, de experiências de trabalho e de ferramentas de promoção.

Mais de meia centena de empresários do setor turístico e representantes de entidades institucionais do Norte de Portugal e de Castela e Leão participaram no primeiro Fórum de Turismo no Vale do Douro, que decorreu a 5 de Dezembro, em São Martinho de Anta (Sabrosa).

Organizado pela Fundação Rei Afonso Henriques (FRAH), em parceria com o Turismo do Porto e Norte de Portugal, a Associação de Empresários Turísticos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR) e a Câmara Municipal de Sabrosa, o Fórum de Turismo no Vale do Douro pretendeu identificar oportunidades de cooperar numa estratégia de promoção turística concertada.

“Este Fórum serviu, sobretudo, para que os agentes turísticos do Norte de Portugal e de Castela e Leão se conhecessem e possam pôr em marcha projetos que contribuam para a qualidade de vida neste território do Vale do Douro”, sublinhou o secretário-geral da FRAH, José Luis Prada.

jose_luis_prada_FRAH

José Luís Prada (FRAH)

O presidente da AETUR, Luís Marques, considerou benéfica a troca de experiências e de contactos empresariais proporcionada pelo Fórum de Turismo no Vale do Douro. “É sempre bom, porque temos uma estratégia comum, e é importante não só para as instituições que superintendem este tipo de projectos, mas também para que os operadores percebam o que cada um pode ou deve fazer.”

luis_marques_AETUR

Luis Marques (AETUR)

Já o presidente da câmara de Sabrosa, José Marques, defendeu que este trabalho de cooperação transfronteiriça “é um importante fator de competitividade”. “É preciso integrar, de forma ativa, o território neste projeto e uma articulação estratégica entre os diferentes agentes”, sublinhou.

O Turismo de Portugal e a Associação de Turismo do Porto e Norte (ATP) comungam também desse objectivo de catapultar o Vale do Douro como o primeiro destino turístico da Península Ibérica. Para tal, a FRAH tem “propostas estratégicas para o aproveitamento turístico do Vale do Douro, através de rotas em torno dos Patrimónios da Humanidade, do vinho, do património natural e românico”.

jose_marques_CM_Sabrosa

José Marques (C. M. Sabrosa)

No decorrer do Fórum, José Luis Prada apresentou uma nova plataforma online onde estão plasmadas diversas informações sobre essas quatro rotas que têm o Vale do Douro como palco. “O que há de verdadeiramente inovador neste portal é que se disponibiliza uma oferta integrada dos dois lados da fronteira. Os operadores turísticos podem oferecer as suas experiências e o turista pode chegar directamente ao operador. Como ferramenta de trabalho permite articular as relações empresariais entre Castela e Leão e a região Norte de Portugal.”

Os empresários do setor turístico que estiverem interessados em apresentar os seus produtos podem fazê-lo através do contacto que é disponibilizado na plataforma online. “Se tiverem uma experiência turística que encaixe nestas quatro rotas, terão que formular uma proposta através do portal. Depois faremos uma análise para que possa ser comercializada”, explica José Luis Prada.

Para perseguir o “objetivo ambicioso de converter o Douro-Duero num destino turístico internacional”, a FRAH organizará um encontro entre empresários portugueses e espanhóis no primeiro trimestre de 2015, na sua sede em Bragança. “É importante para nos darmos a conhecer uns aos outros e podermos estabelecer pontes comerciais. Já estabeleci contactos com operadores espanhóis para promovermos, em território nacional, o produto dos patrimónios da Humanidade. O mesmo será feito em Espanha para o mercado português”, revela Luís Marques, presidente da AETUR.

Fonte: Notify – Atelier de Comunicação