7ª Bienal Internacional de Gravura do Douro

7ª Bienal Internacional de Gravura do Douro

A 7ª Bienal Internacional de Gravura do Douro arrancou no dia 10 de Agosto, com 14 exposições, pelas quais serão distribuídas 1200 gravuras produzidas por 530 artistas. A mostra decorre até 31 de Outubro, tendo como palcos as localidades de Alijó, Favaios, Lamego, Peso da Régua, Sabrosa, Salzedas, Ucanha, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real.

Bienal Gravura Douro -1

Com curadoria de Nuno Canelas, a Bienal de Gravura do Douro homenageia Bartolomeu Cid dos Santos, uma referência incontornável na gravura portuguesa do século XX. Os trabalhos deste artista poderão ser vistos no Museu do Douro [Peso da Régua].

Sediada no Douro, região classificada como Património da UNESCO, a Bienal reúne gravuras dos cinco continentes, desafiando os visitantes a conhecer os trabalhos dos gravuristas e a descobrir diálogos entre as colecções e os espaços.

Em exposição estarão obras de artistas de 71 países, com destaque para os trabalhos da japonesa Tomiyuki Sakuta [Museu do Côa], do canadiano Michael Besant [Mosteiro de Salzedas], do português António Canau [Biblioteca Municipal de Alijó] e do holandês Herman Noordermeer [Auditório Municipal de Alijó]. A galeria pública para as artes digitais, com curadoria dos portugueses Silvestre Pestana e Celeste Cerqueira, é outro ponto emblemático da programação. Paralelamente, a Bienal vai organizar conferências e um workshop de gravura não tóxica, orientado pelo porto-riquenho Fernando Santiago.

Bienal Gravura Douro - 2

Organizada pelo Núcleo de Gravura de Alijó, a Bienal representa uma oportunidade imperdível para apreciar o que de melhor se tem produzido na arte da gravura.  As entradas para conhecer de perto as obras da 7ª Bienal de Gravura do Douro, que decorrerá entre os dias 10 de Agosto e 31 de Outubro, são gratuitas, à excepção dos museus do Côa, de Lamego e do mosteiro de Salzedas.

Sobre a Bienal Internacional de Gravura do Douro

Promovida na mais antiga região vinícola demarcada do mundo – o Douro, região laureada com dois patrimónios da humanidade atribuídos pela UNESCO e mundialmente reconhecidos pela sua paisagem vinhateira e pelo património arqueológico do Vale do Côa, a Bienal Internacional de Gravura do Douro nasceu em 2001 pelas mãos do alijoense Nuno Canelas, com a ambição maior de descentralizar a cultura e promover a arte da gravura.

Assumindo-se como a única Bienal de obra gráfica do País, o evento tem vindo a granjear projecção internacional, posicionando-se já entre as mais importantes Bienais do mundo. A comprová-lo estão as exposições de homenagem a artistas mundialmente reconhecidos como Antoni Tàpies, Paula Rego, Vieira da Silva, Octave Landuyt, Gil Teixeira Lopes, Nadir Afonso, David de Almeida, Bartolomeu Cid dos Santos, entre outros. É de realçar também a sua abrangência territorial e temporal.

Na última edição da Bienal Internacional de Gravura do Douro (2012), foram expostas 650 obras da autoria de 325 artistas, oriundos de 63 países.

Mais informações em: douro-gravura.org